Ônibus, cadeiras, andar a pé, projetos e receitas

Hoje acordei um pouco mais cedo que o usual, não fui trabalhar de carro, a gasolina está muito cara… Por incrível que pareça consegui um lugar sentado, o ônibus não estava cheio. Desci no meu ponto usual e segui a pé por uns 10 minutos. Acho que estou preocupantemente fora de forma, perdi o fôlego pouco depois de iniciar a subida da rua, mas continuei. A empresa que trabalho tem uma forma estranha de gerenciar algumas coisas, por exemplo cadeiras que quebram não são substituídas pelos mesmos tipos, atualmente uso uma cadeira totalmente fixa e incompatível com meu tamanho. Não que a cadeira que eu usava antes fosse ergonômica, já que não tinha ajusta de encosto e nem dos braços e ela não tem altura suficiente pra deixar minhas pernas confortáveis. De toda forma, agora não a uso mais, o encosto está solto e poderia me derrubar a qualquer momento. O responsável por isso disse que eu quebrei a cadeira, mas não se preocupou em saber se a cadeira era de boa qualidade ou ergonômica, acho que isso é mais um estímulo pra procurar novas oportunidades.

Quando voltei pra casa do trabalho, esperei pouco tempo no ponto, em torno de 15 minutos. E por mais absurdo que possa parecer, consegui lugar sentado de novo, tinha uma cadeira e uma pessoa entrou antes de mim mas passou direto. O bizarro era que como estava perto do motorista podia ouvir a conversa dele e ver o que ele estava fazendo. O motorista conversava com alguém que estava sentando na caixa do motor do ônibus (alguns ônibus daqui tem o motor na frente, ao lado do assento do motorista) e de costas para o para-brisas, mas enquanto conversavam o motorista gesticulava e largava o volante do ônibus pra mostrar o que tinha feito e nisso o ônibus ziguezagueava pelo rodovia. Além disso, era bem imprudente, não parava nos cruzamentos e fazia curvas em velocidade elevada pra um ônibus.

Hoje eu resisti a tentação de gastar, não gastei um único centavo. Até desci as escadas pensando em comprar algo pra comer, mas aí tomei água e descobri que estava era com sede mesmo. Tomei meus 2 litros de água recomendados, marquei com uma garrafa PET, vou continuar tomando água assim e aumentar o volume com o tempo. Além de evitar ir trabalhar de carro. É mais cômodo usar meu carro, mas onde trabalho recebo um cartão pra pagar o ônibus que não posso usar para comprar combustível, portanto pego a despesa do transporte pra mim e de despesas eu estou correndo.

Há algum tempo estava pensando em procurar um projeto pessoal, um desafio, algo pra terminar. Me inspirei (pra não dizer que copiei a ideia totalmente) no filme que vi há meses, Julie & Julia, mas não quero repetir e fazer as mesmas receitas, então vou pegar nosso variante nacional “Dona Benta: Comer Bem”. A idéia é fazer todas as receitas do livro, e fazer refeições completas com entrada, prato principal, acompanhamentos, sobremesa, etc. Estou pensando no prazo de 2 anos, como são mais de 1500 receitas e vou fazer várias ao mesmo tempo acredito que seja um prazo razoável. Mas como quero terminar isso realmente, acho melhor o prazo de 3 anos.

Por enquanto é isso, assim que fizer as primeiras receitas posto fotos e todos os detalhes.

Anúncios

Laranjas ou Frutas cítricas

laranjas
Estive pensando, na verdade comecei há pouco… Ah, eu já pensava antes, mas não neste assunto. Afinal de contas, vou falar do que é. Comprei numa ‘padaria’ aqui perto uma garrafa de suco de ‘frutas cítricas’. É uma água amarela adoçada com suco de várias frutas e acréscimo de vitaminas (de acordo com o rótulo).
Mas aí lembrei que quando passo na via expressa sempre vejo pessoas vendendo sacos grandes de laranjas, e me bateu uma coisa. Por que, no lugar de comprar essas garrafas, eu não compro um saco desses, faço o suco puro de laranja e bebo?! Porque sou burro? pode ser, mas acho que é só porque não tinha pensado nisso antes. (Ah, eu não sou burro! Eu sou foda!).

Bem, vejamos, cada garrafa de 1 litro custa R$3,20 e já esses sacos de laranja a venda por 5 e 10 reais, laranja “serra d’agua”. Então, fazendo as contas de modo simples e sem o menor embasamento matemático concluo que é melhor comprar a laranja, tirar o suco, engarrafar e vender, digo beber!

Mas aí a minha dúvida, se eu fizer isso quando tempo posso guardar o suco na garrafa sem que se estrague?! hum..
Vou descobrir isso ainda.