Lembramos para não esquecer.

 

 

O passado não existe, o futuro também não. O que há é somente presente, que passa e desaparece. Nos prendemos em nossas lembranças que acreditamos serem nossas. Registros, gravações, escritos. As pilhas de coisas vão se tornando insuportáveis e nos obstruindo de progredir. O passado teima em não ir embora como deveria. As vezes atitudes drásticas são necessárias.